Comissões

Agenda

Ligue Agora:

51 3021.3440

X

Acessar a Área Restrita

X

Cadastro de Curso

Sinduscon-RS

Sinduscon-RS

faceboof instagram

Sinduscon-RS

Sinduscon-RS

23 de março de 2021

A Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip) divulgou o IGMI-R/ABECIP de fevereiro deste ano

  • BANNER 300x250

  • BANNER 300x50

  • faceboof
  • twitter

O Índice Geral do Mercado Imobiliário Residencial  (IGMI-R/ABECIP) variou 0,53% no segundo mês de 2021, acima do resultado de janeiro (0,41%). Apesar disso, a variação acumulada em doze meses do indicador desacelerou pelo quarto mês consecutivo ficando em 9,17% ante 9,60% do mês anterior.

Apesar de Salvador ter sido a única entre as capitais com queda nos preços dos imóveis residenciais em fevereiro, a tendência de desaceleração na variação acumulada em 12 meses foi sentida em todas as capitais, excetuando Recife, que se recupera de um patamar muito baixo (passando de 1,53% em janeiro para 1,75% em fevereiro), e Brasília com um pequeno avanço, de 9,12% em janeiro para 9,28% em fevereiro. O gráfico abaixo mostra a evolução das variações acumuladas em 12 meses para o índice nacional.

A desaceleração das variações recentes fica clara quando comparamos as trajetórias do primeiro bimestre do ano contra o último bimestre do ano anterior, nos três últimos anos. Sob essa perspectiva, em 2021 todas as capitas mostraram desaceleração, salvo o Rio de Janeiro que ficou estável. Analisando essas trajetórias na tabela acima, o início de 2020 mostra uma tendência geral de recuperação, enquanto o desempenho do início de 2021 é mais bem caracterizado como uma desaceleração. As acelerações recentes dos índices de preços no atacado e para consumidores faz com que a tendência de desaceleração nos preços reais dos imóveis residenciais seja ainda maior.

A percepção dos empresários do setor, de acordo com a Sondagem da Construção Civil do IBRE/FGV, reflete essa desaceleração na dinâmica dos preços nos últimos meses. Como mostra o gráfico abaixo, tanto a evolução recente da atividade (nos últimos três meses), quanto a demanda prevista (para os próximos três meses) reproduzem a desaceleração dos preços entre o final de 2020 e os primeiros dois meses de 2021.

Para os próximos meses, a trajetória dos preços dos imóveis residenciais está ligada ao avanço do programa de imunização, em um momento em que a piora acentuada da pandemia impõe medidas de isolamento desfavoráveis à atividade econômica em geral e ao mercado de trabalho. A esse desafio, somam-se a preocupação em relação à dinâmica dos índices de preços ao consumidor e no atacado mencionada anteriormente, que tende a tornar as condições de crédito menos favoráveis, e as dificuldades em conceder novos estímulos econômicos.

Para mais informações acesse o site da Abecip aqui!

  • BANNER 728x90

  • BANNER 300x50

Prefeitura assina contrato para digitalização de documentos

A Secretaria do Meio Ambiente, Urbanismo e Sustentabilidade (Smamus) assinou no dia 11 de maio, […]

Ver mais

Relator diz que vai trabalhar para derrubar vetos à Lei de Licitações

Matéria da Agência iNFRA no dia 11 de maio destaca que o senador Antonio Anastasia […]

Ver mais

Taxa de velocidade de vendas de imóveis novos foi de 10,3% em março em Porto Alegre

A taxa de velocidade de vendas (relação das vendas sobre as ofertas) de imóveis novos […]

Ver mais